quarta-feira, 25 de maio de 2011

Jovem agredida brutalmente em Lisboa (post actualizado com novo vídeo)


AVISO

Este vídeo contém imagens chocantes

video

O vídeo original foi removido do YouTube
Este foi recebido por e-mail

«As imagens, que terão sido gravadas na zona de Queluz, mostram uma adolescente a ser agredida com violência por outras duas, sem qualquer interferência dos que assistem à cena. O vídeo está no YouTube, mas sinalizado como "impróprio".

A vítima, de 14 anos, é agredida por duas raparigas, que continuam a dar-lhe vários pontapés mesmo quando já se encontra deitada no chão, por entre vários insultos.

Nenhum dos que assistem à cena procura ajudar a adolescente agredida e, pelo contrário, ouvem-se risos e vários comentários jocosos.

Segundo a SIC, que avançou a notícia, na terça-feira, a PSP já identificou todos os intervenientes, incluindo o jovem que filmou o vídeo, que começou por ser divulgado no Facebook.

O caso já está a ser seguido pela Procuradoria Geral da República, que admite, no entanto, que "falta apoio especializado em matéria de crimes através da Internet, divulgados na Internet ou com o uso da Internet".

O jovem que colocou o vídeo no Facebook, adianta a SIC, tem 18 anos e frequentou a Escola Alberto Neto, em Queluz, onde estuda a vítima da agressão.

O vídeo, que foi retirado do Facebook, está, para já, disponível no YouTube, mas só para utilizadores registados e maiores de 18 anos, pelo conteúdo das imagens.

Este vídeo apresenta ainda a agravante de, ao contrário do que a SIC fez, não esconder a identidade dos participantes, pois as suas caras não estão desfocadas.»

Texto in Visão online, 25-5-2011


Notas do editor deste blogue:
Há muita gente a contestar a gravação das imagens e sua posterior divulgação na internet.
Não alinho nessa corrente.
Aquilo que me choca é o facto de estas agressões serem possíveis num país supostamente civilizado.
O que acontece deve ser divulgado.
Só a divulgação pode originar uma firme intervenção das pessoas com responsabilidade na área da prevenção e Justiça.

Sem comentários:

Enviar um comentário